Prefeitura recolhe mais de 40 toneladas de lixo em Vidigal

Publicado: 07/02/2020

Montante é resultado de força-tarefa realizada contra a epidemia de dengue

Com 28 dos 101 casos confirmados de dengue, somente neste ano, em toda a cidade, o distrito de Vidigal enfrenta estado de epidemia. Para conter o avanço da doença, a Prefeitura intensificou, desde os meses finais de 2019, as ações de prevenção e bloqueio na localidade. Nesta semana, a Secretaria Municipal de Saúde, juntamente com o Governo do Estado, deu início à aplicação do fumacê, para combater os mosquitos adultos. Ao todo, serão cinco ciclos, sendo um a cada três dias. O primeiro ocorreu na quarta-feira (05) e o segundo deve ser neste sábado (08), caso o tempo permaneça estável.

Já a Secretaria Municipal de Serviços Públicos realizou mais um mutirão de limpeza e recolhimento de lixo com o objetivo de eliminar os possíveis criadouros do transmissor, ou seja, os potenciais locais com capacidade de acúmulo de água. Na quinta (06) e sexta-feira (07) foram retiradas mais de 40 toneladas de resíduos do distrito, sendo que o último arrastão havia sido feito há 15 dias, para combater os resultados do LIRAa (Levantamento de Índice Rápido Aedes aegypti), divulgado em  17 de janeiro, em que foram encontrados 35 focos do mosquito e constatado o índice de 3,4% de infestação, sendo que os principais tipos de depósitos eram provenientes da falta de cuidado com pratos e vasos de plantas, bebedouros de animais, lonas e lixo acondicionado incorretamente.

“A população precisa entender que o fumacê e o mutirão de limpeza são medidas emergenciais e que não resolvem o problema. Só vamos conseguir parar esta epidemia se cada um fizer a sua parte, visto que o vetor da doença está intimamente ligado aos modos de vida e moradia. Pesquisas apontam que de 80 a 90% dos criadouros estão dentro das residências e a maioria dos casos de dengue são adquiridos no domicílio. Por isso, não se pode esperar a visita de um agente da Prefeitura para se livrar deles. Este é um cuidado diário, de responsabilidade do cidadão e de compromisso com a sua própria saúde e dos demais”, enfatiza a supervisora do Programa de Combate às Endemias, Vera Fusisawa.

Fonte: Assessoria de Comunicação (Débora Fuzimoto)